Curiosidades do Sono

Melatonina: tudo o que você precisa saber sobre o hormônio do sono

Já ouviu falar no hormônio do sono? É assim que chamam popularmente a melatonina, o hormônio produzido diariamente pelo nosso organismo que, além de induzir ao sono, tem um papel regenerador no corpo humano.

Sua ação em nosso corpo traz inúmeros benefícios: desde o bem-estar e a sensação de renovação trazidas por uma noite de sono bem dormida, até o fortalecimento da imunidade.

Um hormônio de tamanha importância merece bastante atenção. Por isso, separamos nesse post tudo o que você precisa saber sobre a melatonina. Saiba como ela funciona, qual a sua atuação no nosso organismo, seus benefícios, como influenciar sua produção e as possibilidades de suplementação. Siga a leitura e aprenda com nosso post:

Como a melatonina funciona

O hormônio do sono é produzido pelo nosso cérebro, mais especificamente na glândula pineal. E ele faz parte do ciclo circadiano: o mecanismo que nosso corpo tem para manter o ritmo do “relógio” corporal.

Este ciclo é um processo que leva cerca 24 horas. Nele, fatores como o apetite, metabolismo, níveis de hormônios, pressão sanguínea, temperatura corporal e horário de sono são regulados pelo organismo. Não é difícil adivinhar qual o papel da melatonina no ritmo circadiano, não é mesmo?

A produção de melatonina no nosso corpo é estimulada pela baixa luminosidade. Assim, quando o sol se põe e se inicia a noite, nosso cérebro começa a produção dos hormônios que vão dizer ao corpo que está chegando a hora de dormir, nos deixando com sono.

E, por ser produzida no período noturno — quando a falta de luz favorece a sua produção —, os níveis de melatonina vão diminuindo no nosso corpo à medida que o sol nasce e a claridade aumenta à nossa volta. Seu corpo já está pronto para um novo dia!

Benefícios trazidos pela melatonina

Já entendemos que a melatonina é produzida à noite para nos preparar para dormir. No entanto, quando estamos dormindo é que sua produção chega ao ápice e esse hormônio entra em ação.

Segundo informações do Ministério da Saúde, “o sono de qualidade melhora o equilíbrio físico, mental e emocional do ser humano, fortalece o sistema imunológico, ajuda a prevenir doenças e tem grande importância para o bom funcionamento do cérebro”.

Isso acontece porque diferentes células, de diferentes tecidos do nosso corpo, possuem receptores compatíveis com a melatonina, o que possibilita a atuação do hormônio como um antioxidante e renovador em algumas delas.

Portanto, uma noite de sono bem dormida cumpre o papel de nos recuperar do dia que passou e preparar o nosso corpo para o dia que está por vir.

Mas, além da atuação ligada ao sono, os estudos investigam outros benefícios que esse hormônio pode trazer ao corpo. Por exemplo, investiga-se a atuação da melatonina para:

Prevenção do alzheimer

O mal de alzheimer é motivado por danos cerebrais causados pelo acúmulo de proteínas disfuncionais no cérebro. A melatonina age como antioxidante no organismo, auxilia na eliminação de proteínas que não são mais benéficas para o cérebro e mitiga os riscos de inflamações. Assim, o hormônio pode evitar o surgimento do alzheimer em pessoas adultas;

Combater o câncer

Estudos verificaram a atuação da melatonina na prevenção do surgimento de alguns tipos de câncer. O câncer de mama é um deles, como verificado por um estudo da Universidade do Estado de Michigan (MSU), publicado na revista Genes and Cancer;

Tratar o autismo

As crianças autistas possuem níveis menores de melatonina, o que resulta em má qualidade de sono. Por isso, o tratamento com a suplementação do hormônio auxilia na qualidade de sono, impactando positivamente no comportamento dos pacientes autistas.

Hábitos que atrapalham a produção de melatonina

Agora que entendemos os vários benefícios que o hormônio do sono traz ao nosso dia a dia, devemos ficar atentos: embora o hormônio seja produzido naturalmente pelo nosso organismo, existem hábitos que podem impedir sua produção e, portanto, prejudicar a qualidade do sono.

Uso de aparelhos eletrônicos

O principal deles é o uso de eletrônicos como celulares, tablets e computadores de forma intensa antes do horário de dormir. Estes aparelhos oferecem grande luminosidade, o que afeta a produção de melatonina em nosso corpo, atrapalhando o sono.

Por isso, o melhor a se fazer é evitar ao máximo o uso desses eletrônicos durante a noite. Alguns aparelhos inclusive contam com modos noturnos, que reduzem a luminosidade da tela. Mas, ainda assim, o melhor é deixá-los de lado alguns minutos antes de se deitar, para deixar o corpo pausar e desacelerar.

Alimentos com cafeína

Outro ponto ao qual é preciso ficar atento são os alimentos ingeridos à noite. A cafeína principalmente, que segundo o Doutor Drauzio Varella atrasa o ritmo da melatonina em 40 minutos.

E não é só o café que possui cafeína: bebidas como chá mate, chá preto, refrigerantes e até o chocolate devem ser evitados depois das 18h, para não prejudicarem a produção do hormônio do sono.

Por outro lado, existem alimentos que influenciam na produção da melatonina e são indicados para o consumo a noite. Leite, mel e aveia são apenas alguns exemplos.

Dormir em locais com grande claridade

Por ser um processo revitalizador e essencial para manter o nosso corpo pronto para o dia a dia, a noite de sono merece cautela. Por isso, o ideal é sempre dormir em locais confortáveis e bem escuros, o que influenciará na produção da melatonina.

Dormir em locais claros interfere na produção do hormônio pelo corpo humano. A longo prazo, esse hábito pode ter consequências mais profundas, pois o corpo passará a recorrentemente produzir menos hormônios, impactando na saúde e na qualidade do sono. Sendo necessário intervenção por tratamentos com medicamentos ou suplementos.

Melatonina como suplemento

O hormônio do sono já foi replicado em laboratório e, hoje, é veiculado também em pílulas como forma de suplemento. Entretanto, na área da medicina ainda não há consenso sobre a atuação da melatonina como suplemento e, por isso, o Brasil ainda não tem legislações que permitem a sua venda.

Em nosso país, apenas as farmácias de manipulação são autorizadas a comercializarem o suplemento, e sua venda é permitida apenas com apresentação de receita médica. Nos Estados Unidos sua comercialização é autorizada, e este é encontrado até em formato de balas nas lojas de conveniência. Enquanto isso, na Europa e em outros países o controle é mais rigoroso.

A sua indicação principal são para pessoas idosas, que naturalmente produzem o hormônio do sono em menores quantidades. Além dos idosos, as pessoas cegas também se beneficiam do suplemento, pois a cegueira diminui a percepção de claridade pelo corpo, diminuindo a produção de melatonina. Em ambos os casos, a suplementação é recomendada para estimular o sono.

Estudos investigam o seu uso em tratamentos como os que já citamos: contra o câncer, o alzheimer e contra o autismo. No entanto, essa ainda é uma área nova e de experimentação. Por isso, o tratamento com suplementação deve ser feito apenas por recomendação médica.

Dormir bem é sinônimo de saúde

Depois de aprender tudo sobre a melatonina, não tem segredo: as noites de sono são importantíssimas para a manutenção da nossa saúde.

Por isso, precisamos ficar atentos aos nossos hábitos e o estilo de vida que levamos, para garantir que os níveis de melatonina não sejam desregulados, evitando problemas como a insônia ou até mesmo outros agravantes de saúde.

Aqui no blog da F.A. Colchões você poderá encontrar outras informações e dicas relacionadas ao sono. E já que agora entendemos a importância de uma noite de sono bem dormida, que tal continuar a leitura em nosso blog conferindo o post com a melhor posição para dormir?

Continue em nosso blog, aprenda mais sobre a saúde do sono e bons sonhos!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo