Bem EstarCorpo e Mente

Clinomania: conheça a doença, suas possíveis causas e tratamentos

Quem não gosta de acordar e ficar alguns minutos a mais deitado(a), curtindo a preguiça mais um pouco até levantar e se preparar mais para um dia, certo? Ou esperar chegar o fim de semana para ficar de bobeira pela manhã ou pela tarde? É uma coisa comum, quase todo mundo faz ou já fez isso. Afinal, nem todos têm picos de energia todos os dias, não é?

Porém quando essa preguiça sadia está mais para o desejo e a necessidade de não levantar da cama, independente do motivo, pode ter um distúrbio bem prejudicial na jogada: a clinomania.

Esse problema nada mais é do que uma vontade extrema de ficar muito tempo na cama, dormindo ou não. Por atrapalhar tanto a pessoa, ele requer acompanhamento médico antes e depois do diagnóstico.

Hoje, a Feliz Acordar contará um pouco mais sobre a doença. Tem muito cansaço e vontade de ficar deitado? Conhece alguém assim? Vem com a gente para saber mais!

O que é clinomania? FA explica tudo sobre o distúrbio!

Pessoas acometidas por essa doença podem ser consideradas preguiçosas, o que não é verdade, afinal tem mais a ver com o desejo de não fazer nada. Não como o termo “preguiça” sugere, do latim pigritia, que nada mais é do que ter “aversão ao trabalho”.

Como já dito anteriormente, a clinomania é o desejo exacerbado de ficar deitado na cama, dormindo ou não. Não importa o momento ou quais obrigações estão esperando, a pessoa sempre quer estar na horizontal no seu cantinho de descanso.

Quando obrigada a acordar, depois de colocar inúmeros despertadores, levanta de péssimo humor e se incomoda de realizar as tarefas diárias.

Por não ter, exatamente, uma razão tão aparente do porquê esse desejo acontece ou por que, em determinadas fases da vida, seja um ato comum, a clinomania pode ser imperceptível. Ainda, há pessoas que podem confundi-la com uma simples preguiça e falta de vontade de cumprir com as obrigações.

Os sintomas comuns são:

  • irritabilidade ao sair da cama;
  • falta de vontade de levantar;
  • cansaço;
  • rotina de sono alterada (trocando o dia pela noite).

Tudo que obriga a pessoa a levantar da cama causa desconforto, irritabilidade e falta de vontade, contribuindo ainda mais para sua vontade de não fazer nada.

Ela pode acontecer entre pessoas jovens e adultas entre os 20 e os 40 anos, mas também acomete os idosos, visto que o sono e o envelhecimento também têm ligações. Assim, a maioria das pessoas na terceira idade tem o corpo mais frágil, problemas diferentes que reduzem a mobilidade, entre outras coisas.

Possíveis causas para a clinomania

Como toda doença, essa não surge do nada, tem alguns motivos que podem acarretar na clinomania e, dependendo da intensidade, fazer com que ela seja muito forte.

A depressão é uma delas, que faz com que a pessoa fique apática, sem vontade de fazer nada, tenha mudanças de humor constantes, além de se isolar do mundo e muitos outros sintomas, conforme o Ministério da Saúde. Quando isso se junta com o distúrbio, é ainda mais preocupante, pois a pessoa pode ficar por dias na cama sem se importar em levantar.

O uso de medicamentos contínuos e fortes também pode fazer com que o distúrbio apareça, afinal há compostos que causam excesso de sono, tonturas, entre outras reações que fazem com que a pessoa perca vontade de fazer suas coisas.

Ainda, mais uma coisa que pode ocasionar a clinomania são tratamentos de doenças graves. Essas, geralmente, necessitam de um acompanhamento diário, de uma rotina de exames pesada e, talvez, dolorosa.

O indivíduo clinomaníaco considera a sua cama uma espécie de paraíso, desejando sempre permanecer nela, independente de seus compromissos sociais ou pessoais, tem uma vontade imensa de ficar deitado e pode permanecer assim por dias – principalmente se o tempo estiver nublado e chuvoso.

Diagnóstico

Não tenho vontade de fazer nada, só de dormir. Sou clinomaníaco? Bem, a resposta não pode ser dada até que exames sejam feitos juntamente com o acompanhamento profissional. Às vezes, é apenas uma exaustão que pode ser passageira, em outras, não.

Nem sempre o diagnóstico da clinomania é o primeiro a ser feito, isso porque não causa nenhum distúrbio que a diferencie de outras doenças, não há nada que possa indicar, imediatamente, que é ela.

Então, normalmente, ela só é considerada depois de realizados vários outros exames. No início, pode-se pensar que é depressão, ou cansaço mental, a síndrome da fadiga crônica ou só sono excessivo. Depois de passar por tudo isso é que os médicos considerarão, por fim, a doença.

Tratamentos para os clinomaníacos

Se você chegou até aqui preocupado de que esse distúrbio não tem cura, não se preocupe, ele tem sim! E são várias opções, cada uma adequada para a gravidade do quadro do paciente.

Pode ser através de remédios, geralmente em casos mais graves, para deixar a pessoa mais desperta e com mais energia. Esses são nas doses recomendadas pelos médicos, conforme o caso.

O acompanhamento psicológico e psiquiátrico também ajuda, afinal é uma maneira de a pessoa se sentir acolhida e entender o que pode ter causado o distúrbio em sua vida. Neurologistas ou profissionais especialistas em medicina do sono também são super indicados.

Além disso, esses profissionais podem sugerir uma mudança na rotina, como a prática de exercícios físicos diários, prática de mediação, fazer a higiene do sono e retornar o relógio biológico ao que ele era.

Então, você conhecia a clinomania? Ela é mais comum do que você pensa e pode ter afetado alguém próximo a você ou, até mesmo, estar te afetando. Por isso é importante se informar e ficar atento(a) aos sintomas.

Não deixe de procurar ajuda, sentir sono é importante e normal, mas não deve evoluir para essa doença ou pior, para uma hipersonia.

Para saber mais sobre a rotina do dormir, conhecer os distúrbios do sono e muito mais, fique sempre antenado(a) nas publicações do blog da FA Colchões. Até a próxima!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo